Info   CV

naiana magalhães


Ongoing Projects —
2016-2019
    Fóssil no asfalto
    Miragem Cariri
    Sombra do Tempo
    Tropinistros

Past Projects —
2012-2016
     Gris
     Antérieur
     A Cor do Outro Lado
     Batida
     Café Colonial
     As Outras
     Polvo
   
 Afundados


Naiana é artista multimídia, atualmente vive e trabalha em Fortaleza, Brasil. Interessa a complexidade temporal, apontar para eventos fora do presente e trazê-los para o fluxo do agora.

Mark



Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
Uma flor ainda desbotada
ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.

Sua cor não se percebe.
Suas pétalas não se abrem.
Seu nome não está nos livros.
É feia. Mas é realmente uma flor.

Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde
e lentamente passo a mão nessa forma insegura.
Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.
Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico.
É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.

A Flor e a Náusea
Carlos Drummond de Andrade




Nesta série, fotografias de fósseis de plantas em pedras cariri são justapostas a fotografias de sombras de plantas no asfalto da cidade de Fortaleza-CE. Sombras e fósseis, por meio de uma conversa entre formas, tecem uma narrativa para além das silhuetas. Suas cores, linhas e corpo imagético conspiram um atravessamento de tempos e história. As sombras são lembranças tristes de um futuro próximo da nossa própria destruição, assim como os fósseis são as memórias da tragédia natural de um passado distante.

Ambos são índices de um signo cuja pluralidade será escassa: os vegetais, primeiros habitantes a povoar a terra com frondosidade e a moldar a geografa para que a vida respirasse. Os fósseis encontrados por mim, durante caminhadas nas calçadas de Fortaleza, são algas e plantas aquáticas de um lago que sofreu uma intrusão marinha há 100 milhões de anos, matando toda a vida do lago e arredores. O local desse infortúnio encontra-se hoje na região do Cariri, no sertão cearense, uma das maiores bacias paleontológicas das Américas. Os fósseis chegam às calçadas do litoral através da exploração comercial dessas pedras calcárias para a construção civil.

As fotografias dos fósseis, assim como das sombras, emergem de um percurso corporal na cidade, mediante um olhar atento aos contextos aqui relatados. A justaposição dessas imagens coletadas, provindas de diferentes substratos e temporalidades, atua como um elemento a mais na articulação de analogias que propiciam pensamentos exteriores à própria imagem. Estabelece conversas e interseccionalidades.

Por exemplo, para os que possuem este repertório, as fotografias das sombras de plantas no asfalto de imediato nos evocam os primórdios da fotografia, quando a botânica inglesa Anna Atkins utilizava os processos de cianotipia para produzir o que seria considerado um dos primeiros livros ilustrados por fotografa, a enciclopédia botânica "Fotografas de Algas Britânicas: Cyanotype Impressions” de 1843.

A metalinguagem presente nessas imagens, que olha para a origem da mídia que lhes dá existência, encontra sua forma nas ruas de metrópoles contemporâneas. Assim, além da refexão temporal dentro da própria imagem das sombras, esta refexão é ampliada ainda mais ao serem confrontadas às imagens dos fósseis. O pano de fundo, aliás, o substrato que as sustenta, são o asfalto e as pedras exploradas economicamente, o que também nos leva a uma refexão geopolítica. A exploração em minas e extração de combustíveis fósseis, como o petróleo, é o que leva a sociedade a confitos bélicos e à proximidade de uma catástrofe ambiental. Repensar nossas fontes de matriz energética é uma das pautas de maior gravidade atualmente.

Olhar para as sombras que sussurram o fim me leva a pensar sobre nossas ações cotidianas moldadas pelo paradigma patriarcal, o da dominação e da exploração, que nos trouxe à beira do abismo ambiental, dentre outros abismos. O desafo está em passar do modelo de dominação ao modelo do cuidado. Cuidar das plantas, do jardim, da casa, da rua, da cidade. Prestar atenção aos sinais da terra.

Conhecer para cuidar e não para explorar. A fotografia que dá forma a este entendimento de mundo pinça e põe em evidência essa narrativa e esses questionamentos. Não apresenta um recorte da realidade, que pressupõe exclusão, mas evidencia uma percepção e faz conversar, por meio das justaposições, conceitos, tempos e contextos.